Sobre

A comunidade brasileira | Desenvolvimento | O software | Perguntas | Licença

A comunidade brasileira

A comunidade SAGA GIS BRASIL foi criada em 2015, com o objetivo principal de proporcionar a ampla divulgação e utilização do SAGA nos mais diversos ambientes de estudo e pesquisa do Brasil e dos países de língua portuguesa. Para atingir este objetivo, nos esforçamos na tradução da interface gráfica do SAGA, desenvolvimento de uma wiki e de um fórum que possam dar suporte aos usuários, além da produção e divulgação de manuais e tutoriais explicativos de procedimentos no ambiente SAGA.

Inspiração

O SAGA é um software que inspirou o desenvolvimento de muitos outros, servindo, inclusive de base ou emprestando seus módulos e/ou recursos para estes, a citar o tão conhecido e amplamente utilizado QGIS. O QGIS ganhou nos últimos cinco anos uma grande quantidade de utilizadores e o status de modelo de software livre de SIG no Brasil, sendo utilizado em universidades e repartições privadas de todo o país, graças as contribuições do grupo iniciado por Arthur Nanni em 2010 e continuadas por uma grande quantidade de pessoas interessadas a contribuir de alguma forma com o projeto QGIS BRASIL. Nosso contato com a comunidade se deu no ano seguinte (2011) e desde então estamos a contribuir na tradução, divulgação e desenvolvimento de tutoriais e cursos de QGIS. Inspirados no sucesso da COMUNIDADE QGIS BRASIL, resolvemos no final de 2012 já lançar esforços no sentido de investir na divulgação do SAGA no país, mas o projeto foi adiado e agora estamos prontos para esta tarefa, pois acreditamos que o SAGA tem grande potencial de deixar de ser o plano de fundo de SIGs mais conhecidos e assumir o seu grande potencial de utilização nos procedimentos geocientíficos, marcado sobretudo pela sua simplicidade e objetividade. Reconhecemos também suas limitações, sobretudo quanto à composição de mapas, mas que é apenas um detalhe diante dos seus recursos sofisticados de processamento de dados espaciais.

Compartilhamos todos os méritos que esta comunidade possa vir a adquirir com a COMUNIDADE QGIS BRASIL, nossa inspiradora e ao mesmo tempo modelo, modelo de sucesso, modelo de tradução, modelo de site e modelo de trabalho em conjunto, sem nenhum fim lucrativo e sem interesses de restringir o conhecimento.

Objetivos
  • Promover a ampla divulgação e utilização do SAGA nos mais diversos meios;
  • Disponibilizar múltiplos canais de comunicação entre os usuários do SAGA no Brasil;
  • Traduzir a interface gráfica do SAGA;
  • Traduzir manuais e tutoriais;
  • Motivar a concepção de Software Livre, bem como a de Conhecimento compartilhado;
  • Remover as barreiras que impedem ou dificultam a análise espacial e a produção de mapas no Brasil;
  • Usar o SAGA sem restrições!
Responsabilidade e Licença

Ao mesmo tempo em que nos esforçamos para disponibilizar múltiplos canais de comunicação entre os usuários do SAGA no Brasil, não podemos nos responsabilizar pela sua contínua manutenção, pois apesar do desejo por ver este projeto tornar-se cada vez mais coletivo e abrangente, podem surgir dificuldades que impeçam sua continuidade.

Sobre a licença, o site e o conteúdo aqui disponibilizado, bem como a sua utilização está inteiramente sujeito a licença do próprio da API do próprio SAGA, ou seja GNU LIBRARY GENERAL PUBLIC LICENSE 2.0.

Clique aqui para visualizar a licença.

 

Desenvolvimento

Uma Breve História do desenvolvimento do SAGA

A maioria dos desenvolvimentos das versões do SAGA vêm da equipe em torno de J. Böhner e O. Conrad, ambos estão trabalhando atualmente no Instituto de Geografia, Secção de Geografia Física, na Universidade de Hamburgo, Alemanha.

A idéia para o desenvolvimento do SAGA evoluiu na década de 1990 durante os trabalhos em vários projetos de investigação no Departamento de Geografia Física,  da Universidade de Göttingen. O foco de investigação foi a análise de dados raster, particularmente de Modelos Digitais de Elevação (DEM), que têm sido utilizados por exemplo, para prever as propriedades do solo, processos de dinâmica de terreno, bem como parâmetros climáticos. Isso exigiu o desenvolvimento e implementação de muitos novos métodos para análise espacial e modelagem. O grupo principal responsável pelo desenvolvimento de métodos, nomeadamente J. Böhner, O. Conrad, R. Köthe e A. Ringeler, era muito heterogêneo no que diz respeito aos sistemas operacionais preferidos, linguagens de programação, ambientes de desenvolvimento, formatos de dados e assim por diante, de modo que uma plataforma comum de desenvolvimento com suporte integrado para análise de dados geográficos prometia ser uma grande melhoria para toda a equipe. Além do fato de que não havia nenhuma plataforma de desenvolvimento realmente satisfatório disponível naquele momento, então o SAGA foi criado.

De grosseiro, demorou um pouco até que uma primeira versão utilizável fosse preparada, mas a partir desse momento o sistema foi continuamente melhorando e tornou-se estabelecido na equipa de investigação. Depois de muitas discussões foi tomada a decisão de publicar o SAGA como Open Source, um Software Livre e compartilhar as suas capacidades vantajosas com geocientistas no mundo inteiro. Desde então o SAGA tem uma comunidade de usuários cada vez maior em todo o mundo, que também levou a muitas contribuições de fora da equipe de desenvolvimento do núcleo.

Com o objectivo de permitir um desenvolvimento sustentável a longo prazo que cobre toda a gama de interesses dos utilizadores, o Grupo Associação SAGA do usuário, uma organização sem fins lucrativos, foi fundada em maio de 2005. Uma das suas tarefas é a organização de reuniões de grupos de usuários, dos quais o primeiro encontro internacional foi realizado em Julho de 2006 no âmbito da Conferência e Exposição de Geomática Aplicada, AGIT em Salzburgo, na Áustria.

Marcos
2001  Início do desenvolvimento do SAGA
2002-2003 O SAGA se estabelece como ferramenta comum de utilização da equipe em torno de J. Böhner
Fevereiro de 2004  O SAGA 1.0 é publicado como Software Open Source
Julho de 2004  Início do desenvolvimento do SAGA 2
Agostode 2004  Publicação do manual do SAGA de V. Olaya
Janeiro de 2005  Fundação do Grupo Associação de Usuários do SAGA
Março de 2005 O SAGA 2 funciona no LINUX
Julho de 2006 Primeira conferência Internacional do SAGA
Junho de 2007 O Saga 2.0.0 é publicado
A Equipe de desenvolvimento do SAGA

A equipa de investigação em torno de J. Böhner e O. Conrad representa ainda o centro do desenvolvimento SAGA e está situada no Instituto de Geografia da Universidade de Hamburgo, Alemanha, onde J. Böhner tem a cadeira de Geografia Física desde 2007. Atualmente a maioria dos desenvolvimentos dentro do SAGA refletem os interesses de pesquisa desta equipe, embora – quando o tempo permite – empreendimentos de interesse mais geral também são abordados . Os numerosos pedidos para o SAGA mostram, que muitos de seus usuários vêem um grande potencial no software em comparação com outros projetos de software. O apoio ao desenvolvimento do SAGA é muito pouco, fato que impede satisfazer todos os desejos dos usuários SAGA, novas funcionalidades e assim por diante. Portanto, qualquer alargamento da equipe SAGA ativo será apreciado. Dê uma olhada no F.A.Q. para mais detalhes sobre como você pode apoiar o desenvolvimento SAGA.

Texto traduzido do site oficial do SAGA.

 

O software

O primeiro objetivo do SAGA é dar aos (geo)cientistas uma plataforma eficaz, mais fácil para a implementação de métodos geocientíficos. Isto é conseguido pela programação do aplicativo com a Interface do SAGA (API). O segundo objetivo é fazer com que esses métodos sejam acessíveis de uma forma amigável, por meio de uma interface gráfica (GUI). Juntos, resultam no grande potencial do SAGA: um conjunto crescente de métodos geocientísticos, pronto para serem utilizados em inúmeras aplicações.

O SAGA é codificado na linguagem C ++, linguagem esta difundida e poderosa na programação e tem um design de sistema orientado a objetos. Desde a versão 2, o SAGA usa a plataforma wxWidgets, biblioteca GUI cruzada para a funcionalidade de interface do usuário. Isto se dá pelo fato de que a biblioteca wxWidgets permite o sistema operacional de desenvolvimento de softwares independentes, você pode ainda executar o SAGA no MS-Windows, bem como no Linux.

Arquitetura do Sistema

A arquitetura do sistema do SAGA é modular. Seu núcleo é a sua Application Programming Interface (API), que fornece modelos de objetos de dados, definições de base para a programação dos módulos científicos e numerosas classes e funções. Dê uma olhada na documentação da API  do SAGA para obter mais informações. Bibliotecas de módulos são blocos de códigos para os métodos científicos na forma dos chamados módulos. A API, bem como as bibliotecas de módulos não estão funcionando de forma independente, mas em vínculo dinâmico (DLL) e têm de ser acessados através de um programa front-end. A interface gráfica do usuário (GUI) é uma das duas extremidades dianteiras do SAGA. Ela permite ao utilizador controlar o sistema, sendo responsável pela gestão dos dados e módulos, bem como para as visualizações de dados. Alternativamente, os módulos podem ser executados usando a segunda extremidade de frente, a ferramenta de linha de comandos do SAGA.

Interface gráfica do usuário

A GUI permite ao usuário gerenciar e visualizar os dados, bem como realizar análises de dados e manipulações executando módulos. Além do menu, ferramentas e janelas, que são típicas para a maioria dos programas modernos, A interface do usuário dispõe de três elementos de controle adicionais, estando organizado nas sub-janelas do módulos, dados e mapas. Cada uma destas áreas de trabalho mostra uma árvore, através do qual os objetos são associados e podem ser acessados. Bibliotecas carregadas estão listados na área de trabalho módulos. Da mesma forma visões criadas nos mapas serão listadas na caixa de ferramentas mapas e os dados na caixa de ferramentas dados, hierarquicamente ordenados por seu tipo de dados. Dependendo de qual objeto estiver selecionada em uma caixa de ferramentas, a caixa de de propriedades do objeto mostra um conjunto específico de sub janelas. Comum a todos os objetos são as sub janelas para definições e descrição. No caso, se um módulo for selecionado, a janela de configuração é preenchida com os parâmetros do módulo. Aqui o usuário pode escolher os conjuntos de dados e outras opções para a execução do módulo. No caso se um objeto de dados for selecionado, a janela de configuração permite o controle das propriedades específicas, permitindo definir o nome, manipulação de memória e comportamento de exibição. A descrição do objecto de dados é complementado por um histórico, que permite reconstruir como um conjunto de dados foi criado. Outras janelas de objeto permitem editar os atributos de camadas vetoriais ou exibir uma legenda para um mapa selecionado.

Um módulo pode ser executado tanto por um botão na janela de configurações relacionada ou através de uma entrada do menu módulos da barra de menus. O local exato da entrada no menu foi especificado pelo programador módulo, de modo que um procedimento de geoestatística como “Universal Kriging” deve ser encontrada na sub categoria “Geoestatística”. Antes que um módulo seja executado, os parâmetros de entrada são obrigatórios, isto é, os dados a serem analisados, têm que ser ajustados. Depois de chamar um módulo através do seu link no menu, uma caixa de diálogo aparece, onde as definições podem ser realizadas (Fig.20). Após a confirmação, que os parâmetros foram configurados corretamente, a execução do módulo começa. Informações sobre o andamento são dadas na barra de status e nas janelas de notificação. A execução do módulo pode ser parada pelo utilizador pressionando a tecla de espaço ou usando o menu módulos. Mas nem todos os módulos iniciam o seu cálculo imediatamente. Módulos interativos esperaram por ações  do usuário, geralmente por cliques do mouse em uma janela do mapa, para executar uma ação. A maioria dos módulos criam novos conjuntos de dados como resultado de seu cálculo, que serão automaticamente adicionados à caixa de ferramentas dados, para que estes possam ser salvos, usado como entrada para outros cálculos, ou exibidas em um mapa.

A forma padrão para visualizar dados espaciais é o mapa cartográfico. Cada conjunto de dados geográficos podem ser adicionados a um mapa como camada temática. Ordens de exibição de camadas temáticas são alteradas na caixa de ferramentas mapas. Estão disponíveis para a criação de mapas diversas opções de exibição dependendo do tipo de dados. Os valores da tabela de  atributos de dados vetoriais podem ser usados como etiquetas, para determinar tamanhos dos símbolos de pontos ou larguras de linhas, ou para indicar cores de exibição. Dados raster são coloridos de acordo com seus valores de dados, usando uma tabela de pesquisa ou um esquema de classificação métrica. A aparência é suave quando as cores são definidas por interpolação. Vistas em 3D podem ser facilmente criadas para cada mapa, na medida em que os dados de elevação apropriadas forem carregados. Vetores, bem como dados raster podem ser editados diretamente na vista do mapa. Outras possibilidades para visualizações de dados são histogramas e gráficos de dispersão. Gráficos de dispersão são construídos em função de regressão e podem ser aplicados a dados vetoriais, raster e de tabela. Além de visões simples de tabelas com capacidades de edição e classificação, também estão disponíveis diagramas para exibir os dados da tabela.

Ferramentas

O SAGA vem com um conjunto abrangente de módulos livres, a maioria deles publicado sob a licensa GPL (34 bibliotecas com 119 módulos na versão 1.2, 42 bibliotecas com 234 módulos na versão 2.0.0, 48 bibliotecas com 300 módulos na versão 2.0.3). Nem todos esses módulos são ferramentas de análise ou de modelagem altamente sofisticadas. Muitos módulos executam operações de dados bastante simples. Mas vários desses módulos representam o estado da arte em análise geocientífica. A seguinte visão geral mostra a gama de métodos cobertos. Mais informações estão disponíveis, por exemplo, através da Wiki do SAGA ou a própria GUI do SAGA.

Interfaces são fundamentais para o trabalho com dados espaciais para os inúmeros formatos de arquivo. Em particular, a troca de dados entre diferentes programas geralmente requer um conjunto de filtros de importação e exportação. o SAGA oferece vários filtros para formatos de dados comuns, incluindo vários formatos de imagem e de GPS. Mais flexível é uma ferramenta de importação de dados raster, que usa a Biblioteca de Abstração de Dados Geoespaciais (GDAL), o único que suporta cerca de 40 diferentes formatos de arquivo.

Depois que os dados tenham sido importados, o próximo passo é necessário na maioria dos casos, que consiste em georreferenciá-los ou para projetá-los, de modo que todos os conjuntos de dados espaciais de um projeto pertençam a um único sistema de coordenadas. Além de uma ferramenta de georreferenciamento, o SAGA fornece acesso a duas bibliotecas de projeção alternativas gratuitas, a biblioteca tradutor “Geotrans Geographic” desenvolvido pela Agência Nacional de Inteligência Geoespacial e a biblioteca “Proj.4” iniciada pela US Geological Survey. Ambas as bibliotecas trabalham para dados raster, bem como para dados vetoriais e fornecem várias projeções para os parâmetros cartográficos livres.

Existem muitos módulos para a manipulação e análise de dados vetoriais, como a fusão de camadas, seleção de formas, manipulação de atributos da tabela, tipo de conversão e criação automatizada de documentos. Operações padrões em dados vetoriais são interseções de camada de polígonos e criação de dados vetoriais a partir de dados raster, por exemplo, criação de linhas de contorno.

Dados raster (ou em grade) podem ser criados a partir do ponto vizinho mais próximo, triangulação e outras técnicas de interpolação. Módulos para a construção e preparação de dados raster, permitem que reamostragens, fechamento de lacunas e a manipulação de valores por regras definidas pelo usuário. Análises de dados de imagem de cobertura, entre outros padrões e análises de custos. Uma ferramenta padrão muito flexível é a calculadora de quadriculação, onde uma fórmula definida pelo usuário é utilizada para combinar um número arbitrário de camadas de varredura. Outras operações padrões são skeletonisations e criação de buffers.

Intimamente relacionado com análises de raster existe um número de módulos disponíveis para a manipulação e análise de imagens. Uma série de algoritmos de filtro têm sido implementada para suavização, nitidez ou detecção de bordas. Classificações pode ser realizadas utilizando análise de agrupamento automático ou de um processo supervisionado, distância de peixel e classificação por máxima verossimilhança. Algoritmos de segmentação simples em breve serão acompanhados de módulos de reconhecimento de objetos mais sofisticados.

As análises estatísticas para dados raster incluem estatísticas zonais, análise residual e variância. Regressão simples e múltipla permitem analisar e relacionar os dados pontuais de dados do tipo raster e permitir a extrapolação de valores. Semivariogramas são utilizados para determinar a autocorrelação de dados e, em seguida, servir para o ajuste de um dos procedimentos de Krigeagem.

Desde à origem do SAGA, existem muitos módulos, que se concentram em Modelos Digitais de Elevação e análises de terreno, como sombreamento analítico colina, análise de visibilidade, geomorfometria local e classificações geomorfométricas, parâmetros do terreno estão relacionadas com a hidrologia, a rede de canais e extração de bacias hidrográficas, e a criação de perfis e diagramas de seção transversal.

Criação de scripts

Uma interface de usuário alternativa para a execução de módulos do SAGA é fornecida por meio do Command Line Interpreter (CMD). Embora não seja muito amigável o uso de uma linha de comando, o CMD tem a vantagem de que pode ser executado a partir de arquivos de script em lote, que por sua vez permite uma maior automatização dos fluxos de trabalho complexos e ao tratamento de rotinas de dados em massa. Maior flexibilidade é ainda dada pela interface SAGA Python, que permite não só a execução de módulos, mas também dá acesso a quase todas as funcionalidades da API.

Texto traduzido do site oficial do SAGA.

 

Perguntas Frequentes

Onde posso encontrar mais informações sobre o SAGA?

Além das informações básicas que você encontra neste site existem várias fontes de informação alternativas. O melhor para começar é o site oficial do projeto SAGA hospedado no SourceForge. Mais informações atualizadas são dadas pela wiki do SAGA, existem também boletins de notícias, informações de bugs, listas de discussão e fóruns de usuários. Na seção de download você encontra o guia de usuário do SAGA Volume 1 e Volume 2. O volume 1 contém uma introdução à interface gráfica do usuário do SAGA, enquanto o Volume 2 apresenta informações sobre muitos módulos do SAGA, além de funções e aplicações de SIGs. O guia de usuário do SAGA está atualizado para a versão 2.0.5.

Quais sistemas operacionais são compatíveis?

Para a funcionalidade interface de usuário, o SAGA usa a biblioteca GUI wxWidgets, o que permite um desenvolvimento de software independente do sistema operacional. Plataformas atualmente suportadas pelo SAGA são MS Windows (2000 e mais recentes), bem como Linux e FreeBSD, teoricamente o MacOS também suporta o SAGA, mas não existem experiências muito bem constatadas. Mais informações estão disponíveis na wiki do SAGA.

Onde posso obter informações de licença?

O SAGA é um software livre de código aberto (FOSS), o que geralmente significa que você tem a liberdade

  • para executar o programa, para qualquer propósito,
  • para estudar como o programa funciona e modificá-lo,
  • para redistribuir cópias,
  • para melhorar o programa, e liberar as melhorias para o público.

Exceto para a Application Programming Interface (API) a maioria dos códigos-fonte do SAGA têm sido licenciado sob a GNU General Public Licence, ou GPL. A GPL exige que trabalhos derivados sejam disponíveis sob a mesma licença ou similar, com outras palavras obras derivadas tem que se tornar Open Source também. Por algumas razões os criadores SAGA decidiram usar uma licença menos restritiva para a API do SAGA. A API usa GNU Lesser General Public Licence ou LGPL, que permite o uso desta biblioteca em programas proprietários, ou seja, a API do saga, não têm obrigatoriamente que ser publicado como Open Source também.

Qual é a maneira mais fácil de executar SAGA?

No Windows isso é muito simples, porque a versão do SAGA para Windows é por meio de software portátil. Basta baixar os últimos binários compilados para Windows, descompactá-lo e executar “saga_gui.exe”. Sob o Linux há uma maneira semelhante para executar o SAGA. Obtenha os binários compilados para Linux e execute “saga_gui.sh”. Devido a dependências não resolvidas em sua configuração Linux isso pode nem sempre funcionar imediatamente. Neste caso, procure por maiores informações sobre como executar o SAGA na wiki.

Onde posso obter suporte?

Se precisar de ajuda quanto ao SAGA, o melhor é verificar a wiki e fóruns primeiro. De grosseiro, se isso não ajudar, você pode também entrar em contato com os desenvolvedores do SAGA, que sempre dão o seu melhor para encontrar uma solução para qualquer problema, embora possa levar algum tempo.

Como eu posso dar apoio?

Há muitas maneiras de apoiar o SAGA. As contribuições diretas pode ser feito através do site oficial do projeto SAGA no SourceForge, onde você pode participar de discussões em fóruns ou melhorar a wiki. Torne-se um membro do financiamento do Grupo Associação SAGA do usuário, que representa os interesses da comunidade de usuários do SAGA em todo o mundo. Aqueles de vocês, que querem contribuir como desenvolvedor, deve entrar em contato com a equipe de desenvolvimento que se congratula com qualquer ampliação de suas capacidades.

Texto traduzido do site oficial do SAGA.

 

GNU General Public License

Version 2, June 1991

Copyright (C) 1989, 1991 Free Software Foundation, Inc.  
51 Franklin Street, Fifth Floor, Boston, MA  02110-1301, USA

Everyone is permitted to copy and distribute verbatim copies
of this license document, but changing it is not allowed.

Clique aqui para ler a licença na íntegra.

Anúncios